| Eagora

Sign In

Arte Urbana: história, visualidades, estética, denúncia

Português

14 visits

thumb_up_off_alt

Main author information

Isabel Nogueira (Portugal)
Centro de Investigação e de Estudos em Belas-Artes (CIEBA)/Universidade de Lisboa (Portugal) 1730
Scientific production

Event
GKA VISUAL 2022:     8th International Conference on Visual Culture
06/16/2022

Keywords
Arte Urbana História Estética Denúncia

Abstract

Devemos começar por colocar algumas breves considerações, nomeadamente, por referir uma certa insatisfação relativamente à denominação “arte urbana”, do original street art. Mas, atendendo à falta de um nome mais apropriado ou elucidativo, aceitemos preliminarmente esta designação. A arte urbana é, antes de mais, uma arte no espaço público das cidades, que começou por incorporar um tipo de cultura underground e de contracultura, ou seja, à margem ou até oposta ao domínio institucional, mas que vemos, nos tempo recentes, muitas vezes ser apropriada institucionalmente. Na verdade, o que distingue então a arte urbana de uma outra qualquer obra de arte pública? Ou – e de novo um problema –, apesar de a maioria destas obras surgir efectivamente em contexto urbano, existem trabalhos relevantes em contexto não urbano, como zonas portuárias, praias, ou pequenas comunidades, por exemplo. Em suma, a designação “arte urbana” comporta algumas insuficiências, contudo, e até ao aparecimento de um conceito mais operatório, será o que vamos utilizar. E comecemos por responder à questão atrás enunciada: o que a distingue de outra obra de arte pública? De facto, o que torna a arte urbana singular é sobretudo o seu objectivo ou contexto de produção e de recepção artísticas. Ou seja, a arte urbana é genericamente criada com o objectivo de denunciar ou de chamar a atenção para determinados assuntos, causas ou problemáticas sociais, políticas, culturais, humanistas, de género, raciais, existenciais, ecológicas, etc. O objectivo desta comunicação é o de traçar um percurso desde os anos 70, a sua orige, no South Bronx, até à actualidade, nomeadamente no contexto de guerra que vivemos.